O que são as alergias? Sintomas, Causas e Tratamentos

Noções básicas sobre alergias

As alergias afectam mais de 50 milhões de americanos todos os anos. São a sexta causa principal de doenças crónicas em adultos americanos e a causa mais comum de doenças crónicas em crianças.

As alergias são o que acontece quando o sistema de defesa do corpo (o sistema imunitário) reage de forma exagerada. É um caso de identidade equivocada: As células imunitárias responsáveis pela protecção do corpo contra bactérias e vírus percebem erradamente que uma substância inofensiva é um invasor. Estes estímulos inofensivos (ou alergénicos) podem ser pólen, pêlo de animais de estimação, ou nozes, entre outros. A reacção alérgica é o que acontece no organismo quando o sistema imunitário confunde estes alergénios com invasores.

Tipos comuns de alergias

Os tipos mais comuns de alergias são:

  • Alergias interiores e exteriores (pólenes vegetais, esporos de bolor, ácaros, pêlo de animais de estimação)
  • Alergias de pele (hera venenosa e carvalho, alguns alimentos, látex)
  • Alergias alimentares (leite, soja, ovos, trigo, amendoins, frutos secos, peixe, crustáceos)
  • Alergias a medicamentos (geralmente antibióticos de penicilina)
  • Alergias a insectos (picadas de abelhas e vespas, picadas de formigas venenosas, baratas, ácaros do pó)

Sintomas de alergia

Os sintomas de alergia podem variar de leves a ameaçadores (no caso de anafilaxia). Os sintomas geralmente – mas nem sempre – afectam a parte do corpo que entra em contacto com o gatilho.

Os sintomas comuns de alergia incluem:

  • Espirros, comichão no nariz, corrimento ou nariz entupido (rinite alérgica)
  • Tosse, aperto no peito, falta de ar, tosse (asma)
  • Olhos riscados, vermelhos e lacrimejantes (conjuntivite alérgica)
  • Dor de estômago, náuseas, vómitos, diarreia
  • Pele seca, vermelha e rachada (eczema)
  • Erupção vermelha, comichão cutânea (dermatite)
  • Pele eriçada, com prurido (urticária)
  • Lábios inchados, língua, olhos, ou rosto (angioedema)

Mas os sintomas de alergia podem ser imprevisíveis: A mesma pessoa que entra em contacto com o mesmo alergénio na mesma parte do corpo não produzirá sempre os mesmos sintomas. Não é verdade que cada reacção alérgica seja pior do que a última.


Factos sobre alergias

  • Muitas pessoas com alergias têm frequentemente mais do que um tipo de alergia.
  • Muitas crianças superam algumas alergias (eczema, alergias alimentares, asma).
  • As alergias a nozes são para toda a vida.
  • Números E (aditivos alimentares), alimentos GM (geneticamente modificados) e fast food não provocam alergias em si mesmos.
  • As imunizações não provocam alergias.

Anafilaxia

A anafilaxia é uma reacção alérgica grave que envolve todo o corpo. Os sintomas de anafilaxia surgem rapidamente, geralmente em minutos após o contacto com um gatilho, mas podem demorar até 4 horas a apresentar-se:

  • A tontura
  • Dificuldade em respirar
  • Wheezing
  • Rápido batimento cardíaco
  • Pele amêijoa
  • Confusão e ansiedade
  • Colapso físico ou perda de consciência

Nem sempre é imediatamente visível o que se passa – especialmente se a pessoa nunca teve anafilaxia antes. E pode ser aterrador. Por vezes, mas nem sempre, existem sinais físicos óbvios de uma reacção alérgica, tais como urticária, náuseas ou vómitos, dores de estômago, ou inchaço facial, para além dos sintomas acima enumerados.

A anafilaxia é mais comum em pessoas alérgicas a amendoins, amendoins (por exemplo, amêndoas), picadas de abelhas, e certos medicamentos. Também é mais provável se já a teve antes.

A anafilaxia é sempre uma emergência médica. Se não for tratada rapidamente, pode ser fatal.

Eis o que fazer se vir alguém a sofrer de anafilaxia:

  • Precisam de uma injecção da sua caneta epinefrina, se a tiverem.
  • Ligue para o 911 (mesmo que comecem a sentir-se melhor) e diga ao operador que pensa que a pessoa está a ter anafilaxia.

Alguém que tenha tido um ataque anafilático precisa sempre de ir ao hospital depois – mesmo que se sinta melhor.

Opções de tratamento

Os tratamentos para as alergias dependem dos sintomas e do gatilho. Quando possível, o primeiro e melhor remédio é evitar o gatilho.

Existem muitos medicamentos para reduzir os sintomas de alergias. Podem ser aplicados no local da reacção alérgica (tópica) ou tomados por via oral.

São exemplos de tratamentos tópicos:

  • Gotas oftálmicas
  • Pulverizadores nasais
  • Inaladores
  • Cremes para a pele, loções, unguentos

As principais categorias de tratamentos de alergia são anti-histamínicos, corticosteróides, e descongestionantes. Aqui está um resumo destes.


Anti-histamínicos

Os anti-histamínicos bloqueiam os efeitos de uma substância chamada histamina no seu corpo. A histamina é libertada pelas células do sistema imunitário quando detecta um invasor. Se a ameaça for real, a histamina ajuda o corpo a proteger-se a si próprio. No caso de uma alergia, a libertação de histamina é uma reacção desnecessária e de mão pesada contra o gatilho. Isto resulta em sintomas desagradáveis, tais como prurido, olhos lacrimejantes ou corrimento nasal, espirros, erupções cutâneas, e inchaço dos lábios.

Ao bloquear a histamina, os anti-histamínicos podem prevenir sintomas de alergia (se tomados antes de entrar em contacto com o gatilho) e ajudar a melhorar os sintomas (se tomados depois).

Corticosteróides

Os corticosteróides são uma versão farmacêutica das hormonas normais encontradas no organismo. O conhecimento médico destes corticosteróides ajuda a aumentar a quantidade desta hormona no corpo, o que pode ajudar a precisar de tratamento a curto prazo de inflamação, vermelhidão, inchaço, prurido, ou dor.

Descongestionantes

Os descongestionantes ajudam a aliviar os sintomas de um nariz bloqueado ou entupido (congestão nasal). Funcionam reduzindo o inchaço dos vasos sanguíneos no nariz, o que clareia as passagens nasais. Os descongestionantes podem ser tomados sozinhos ou em combinação com analgésicos ou anti-histamínicos.

Imunoterapia

A imunoterapia é um tratamento apenas especializado para um pequeno número de pessoas com alergias graves e persistentes que não conseguem controlar os seus sintomas com outras terapias.

A imunoterapia envolve a toma de pequenas doses do desencadeador alérgico (alergénio) ao longo de vários anos. O seu objectivo é ajudar o seu corpo a habituar-se ao alergénio, para que a sua alergia se torne mais suave e mais controlável. O alergénio pode ser administrado como dose (SCIT) ou como gota (SLIT).

Se estiver a tomar injecções, estas têm de ser dadas por um médico especialista numa clínica especializada, pois existe um pequeno risco de uma reacção grave.


Canetas auto-injectoras Epinefrina

A epinefrina é um medicamento que ajuda a parar uma reacção alérgica potencialmente fatal chamada choque anafiláctico. É uma versão farmacêutica de uma hormona natural no nosso corpo que ajuda a manter a nossa pressão arterial elevada, o nosso coração a bombear, e os nossos tubos respiratórios abertos – precisamente o que é necessário durante a anafilaxia.

Preocupações comuns

Porque é que as pessoas têm alergias?

Para ser alérgico a algo, é preciso ser sensibilizado a isso. Isto significa que o seu corpo deve ter entrado em contacto com essa substância. Na primeira reunião, o sistema imunitário interpreta erroneamente essa substância (alergénio) como uma ameaça e faz uma memória (anticorpos) contra ela.

As alergias são genéticas?

As alergias podem acontecer em qualquer pessoa, mas são mais prováveis se tiver uma predisposição genética para as alergias (também conhecidas como atopia). Alguns factos sobre as hipóteses de herdar as alergias:

  • Uma criança cujos pais não têm alergias corre cerca de 15% de risco de ter alergias.
  • Se um dos pais tem alergias, então esse risco pode ir até 50%.
  • Se ambos os pais tiverem alergias, então o risco de alergia da criança pode chegar a 80%.

Pode ter alergias múltiplas?

Sim e não. Uma pessoa pode ser alérgica a algo a que o seu corpo nunca tenha sido exposto antes. Isto é algo chamado alergia de reactividade cruzada.

Por exemplo:

  • Se for alérgico ao látex, há uma boa hipótese de ser também alérgico a bananas, abacates, kiwis, castanhas, ou papaias.
  • Se for alérgico ao pólen das gramíneas, há uma boa possibilidade de ser alérgico a pêssegos, aipo, tomate, melões, ou laranjas.
  • Se for alérgico ao pólen de bétula, há uma boa possibilidade de ser alérgico a kiwis, maçãs, peras, pêssegos, ameixas, coentro, funcho, salsa, aipo, cerejas, cenouras, avelãs, ou amêndoas.

Se for este o caso, não tem alergias múltiplas. Tem uma única alergia desencadeada por muitas coisas.

Uma alergia ou intolerância alimentar?

Muitas (mas não todas) as alergias alimentares são intolerâncias. São causadas por um problema intestinal e não por um sistema imunitário hiper-reactivo, montando um ataque contra esse alimento. Os sintomas de uma intolerância alimentar podem ser inchaço ou obstipação. Isto é diferente dos sintomas de uma verdadeira alergia alimentar (erupções cutâneas, urticária, náuseas, ou vómitos) causada pelo sistema imunitário que liberta histamina e outros químicos semelhantes no sangue.

Qual é a alergia alimentar mais comum?

O amendoim é o alergénio mais comum, seguido do leite e do marisco. As crianças têm alergias alimentares com mais frequência do que os adultos. Há oito alimentos responsáveis por quase todas as reacções alérgicas a alimentos:

  • Leite
  • Soja
  • Ovos
  • Trigo
  • Amendoins
  • Nozes de árvores
  • Peixes
  • Marisco

Referências

  1. Academia Americana de Alergia, Asma, & Imunologia. (2020). Alergias. Obtido em https://www.aaaai.org/conditions-and-treatments/allergies 
  2. American College of Allergy, Asthma, & Immunology. (2018). Fatos sobre alergias. Obtido em https://acaai.org/news/facts-statistics/allergies 
  3. Fundação da América contra a Asma e as Alergias. (2020). Factos e números sobre as alergias. Obtido em https://www.aafa.org/allergy-facts/ 
  4. Austin, M., Bloomfield, S., Dhruve, H., et al. (2015). Fazer sentido de alergia. Sentido sobre a Ciência. Obtido a partir de https://senseaboutscience.org/wp-content/uploads/2016/09/Making-Sense-of-Allergies-1.pdf.
  5. Centros de Controlo e Prevenção de Doenças. (2017). Alergias e Febre dos Fenos. Obtido em https://www.cdc.gov/nchs/fastats/allergies.htm 
  6. Chade, Z. (2001). Alergias em crianças. Pediatria e saúde infantil, 6(8):555-566.
  7. A Biblioteca Cochrane. (2015). Tratamento e prevenção de alergias. Obtido a partir de https://www.cochranelibrary.com/collections/doi/10.1002/14651858.SC000013/full 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo