O que é a Osteoporose? Causas, Sintomas, Medicamentos

A osteoporose é uma doença em que os ossos perdem a sua força. Isto aumenta dramaticamente o risco de fractura ou quebra dos ossos. Acontece gradualmente com a idade e é mais comum nas mulheres. 

Existem dois tipos de osteoporose: 

  • A osteoporose primária ocorre à medida que envelhecemos e as nossas hormonas sexuais (estrogénio e testosterona) diminuem.
  • A osteoporose secundária deve-se a outras condições médicas (como a doença da tiróide) ou medicações (como o uso prolongado de corticosteróides).

A osteopenia é uma condição intermédia: A força óssea não é saudável, mas não é suficientemente baixa para ser chamada osteoporose. Mas isso significa que, sem tratamento, corre-se o risco de desenvolver osteoporose. 

Sintomas

A osteoporose é uma “doença silenciosa”, o que significa que não tem sintomas. A osteoporose é mais comumente encontrada após uma fractura. Quando se tem osteoporose, as fracturas podem acontecer devido a uma simples tropeçar e cair, por vezes mesmo sem uma queda.

Causas

Para compreender o que causa a osteoporose, ajuda a saber como os nossos ossos se mantêm saudáveis. 

Ao longo da vida, os nossos ossos estão constantemente a reconstituir-se – um processo chamado remodelação. O osso antigo é removido num processo chamado reabsorção, e o osso novo é feito no seu lugar. Isto mantém os nossos ossos saudáveis e permite a sua reparação quando necessário. 

A osteoporose acontece quando este processo está desequilibrado. Por outras palavras, quando há mais reabsorção óssea do que substituição, ocorre perda óssea. Isto tende a acontecer com a idade, mas acontece mais cedo e mais rapidamente para as mulheres. As hormonas também desempenham um papel: O estrogénio e a testosterona normalmente ajudam a retardar a reabsorção. Quando estas hormonas diminuem no nosso corpo, o processo de perda óssea acelera.

Factores de risco

Muitas coisas podem aumentar o risco de osteoporose. Alguns dos factores de risco mais comuns estão aqui listados:

Género, genética e idade

  • Género feminino
  • Aumento da idade
  • Baixos níveis de estrogénio ou testosterona
  • raça branca asiática e não-hispânica
  • Ter pais com osteoporose ou fractura da anca

Condições médicas

  • Anorexia
  • Condições que provocam a imobilidade
  • Condições que prejudicam a absorção de vitaminas e minerais
  • VIH/SIDA 

Medicamentos

  • Medicamentos antissépticos
  • Tratamentos do cancro que visam as hormonas
  • Inibidores da bomba de prótons (para úlceras ou doença de refluxo)
  • Inibidores selectivos de recaptação de serotonina ou SSRIs (para depressão e ansiedade)
  • Hormonas esteróides
  • Thiazolidinediones ou glitazonas (para diabetes tipo 2)

Comportamentos

  • Ingestão de álcool pesado
  • Inactividade ou actividade física insuficiente
  • Não ingerir cálcio suficiente na sua dieta
  • Não ingerir vitamina D suficiente na sua dieta ou do sol
  • Fumar

Ser testado

Como a baixa densidade óssea e a osteoporose não têm frequentemente sintomas, o rastreio desempenha um grande papel no diagnóstico. Se tiver mais de 65 anos de idade ou tiver algum dos factores de risco listados acima após ter passado pela menopausa, consulte o seu prestador de cuidados de saúde sobre a obtenção de um teste de densidade óssea. O teste é a única forma de saber se tem osteoporose, e precisa de ser testado antes de poder obter medicação para a mesma. 

Tratamento 

O objectivo do tratamento da osteoporose é reduzir o risco de fractura. As três áreas mais frequentemente afectadas são a coluna vertebral, a anca e o pulso. A maioria das pessoas pensa em dor quando pensa em fracturas, mas há muitas outras coisas a considerar. 

As fracturas podem levar à deficiência, tornando difícil ou impossível a realização de certas actividades. Por exemplo, uma fractura do pulso pode tornar difícil vestir-se, fazer refeições, e transportar mantimentos. As fracturas da anca requerem cirurgia e uma longa reabilitação. As fracturas vertebrais, ou quebras nos ossos da coluna vertebral, podem ser muito dolorosas e podem alterar a postura, tornando-a difícil de dobrar e de alcançar coisas. Por outras palavras, as fracturas também levam à dependência dos outros para actividades do dia-a-dia e mobilidade.

Preocupações comuns

Que alimentos são melhores para a osteoporose?

Cálcio e vitamina D são essenciais se tiver baixa densidade óssea. Os alimentos ricos em cálcio incluem produtos lácteos (tais como leite, iogurte ou queijo) e verduras de folhas (tais como couve e espinafres). Não há muitos alimentos ricos em vitamina D (excepto peixes como o salmão e o atum), pelo que os suplementos podem ajudar. Muitos produtos lácteos são também fortificados com vitamina D, por isso não se esqueça de verificar os rótulos.

Muitas frutas e vegetais têm vitamina C, potássio e magnésio, que são também cruciais para a saúde óssea. Leia aqui para mais dicas de dieta para osteoporose.


A osteoporose é curável?

Não. Embora os medicamentos possam abrandar a taxa de perda óssea ou mesmo construir um pouco mais de densidade em alguns casos, eles não curam a osteoporose. E, se se parar a medicação, a perda óssea continua normalmente.


Qual é a esperança de vida de uma pessoa com osteoporose?

A duração da nossa vida depende de muitos factores. Mas no que diz respeito à osteoporose, a prevenção de quedas e fracturas é a chave da esperança de vida. Um grande estudo observacional revelou que as mulheres com menos de 75 anos e os homens com menos de 60 podem esperar viver pelo menos mais 15 anos após o início do tratamento.


Caminhar é bom para a osteoporose?

Sim. A actividade física – especialmente a actividade que carrega peso e que aumenta a força – é adequada para a osteoporose, incluindo a marcha.


Qual é a sensação de dor causada pela osteoporose?

A osteoporose em si não causa dor. Se alguém com osteoporose está a sentir novas dores, pode ser devido a uma fractura, o que causa dor.


O que acontece se a osteoporose for deixada sem tratamento?

Se a osteoporose não for tratada, é provável que se agrave. O maior problema de ter osteoporose é o risco de fracturas. São dolorosas e debilitantes, mas isso não é tudo.

Estudos demonstraram que as pessoas experimentam uma maior dependência dos outros após uma fractura, sintomas depressivos, e mesmo um aumento do risco de morte. O risco de morte no prazo de um ano após uma fractura da anca é de cerca de 22%. Este número é inferior ao que costumava ser, mas ainda é algo que se quer tentar evitar, se possível.

Não é claro exactamente porquê, mas estudos também mostram que o tratamento com osteoporose está ligado a um menor risco de morte após uma fractura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Botão Voltar ao Topo